São Sebastião

O post de hoje é em homenagem a minha querida avó materna Clotildes Arieta, pois ela era devota do São Sebastião, padroeiro da Cidade do Rio de Janeiro.


Fachada da Igreja dos Capuchinhos.


História
Dia 20 de Janeiro, é celebrado a Festa do padroeiro São Sebastião. Ele é uma figura heroica para não renegar a fé em Jesus Cristo. Soldado Imperial de Naborna (Gália) ou de Milão, segundo Santo Ambrósio, sofreu martírio em Roma, em testemunho de sua fé em Cristo, na época do Imperador Diocleciano. O culto popular ininterrupto a ele prestado mostra o lugar de sua sepultura no cemitério da antiga Via Ápia, nas catacumbas de São Sebastião. A liturgia de Roma sempre lhe reservou um lugar privilégiado. A iconografia retrata-o no martírio, crivado de flechas.
Pelas suas chagas, foi invocado como protetor dos empesteados. Em 1565, foi escolhido como padroeiro do Rio de Janeiro, por seu fundador Estácio de Sá. São Sebastião é um modelo de fé, coragem, constância e disponibilidade no serviço de Deus e da Igreja. Que ele proteja a Cidade, a Arquidiocese do Rio de Janeiro e a Paróquia, a ele dedica-se, defendendo-nos da violência, das epidemias, e alcançando-nos a graça da firmeza na fé.
São Sebastião viveu nos primeiros séculos do cristianismo. Prestou serviço militar em Milão, Itália. Por sua fidelidade e valor, foi nomeado Capitão pelo Imperador Diocleciano. Na posição de chefe, aproveitava para melhor confortar os cristãos quando denunciados ou condenados à morte.
Diocleciano, identificando Sebastião como verdadeiro cristão, o detém e força-o a renegar a sua fé. Sendo grande a sua estima por Sebastião, tudo fez, através de promessas, para que desistisse de sua fé. De vontade inflexível, não voltou atrás, sendo destituído do cargo oficial, torturado, amarrada a uma árvore e alvejado com flechas.


São Sebastião - Padroeiro da Cidade do Rio de Janeiro (Foto: Google Imagem)

A Igreja dos Capuchinhos
A Igreja de São Sebastião dos Capuchinhos, situada na Rua Haddock Lobo, 266, Tijuca, foi inaugurada em 15 de agosto de 1931. Trazida da Igreja do Morro do Castelo, edificada em 1567, foi reconstruída por Salvador de Sá em 1583. Para o local foram transportados o que chamam de "Relíquias Históricas da Cidade": os restos mortais do fundador da cidade do Rio de Janeiro, Estácio de Sá, morto em 1567; marco zero da cidade fundada em 1565, e a pequena imagem de São Sebastião de 1563.


A fachada da Igreja dos Capuchinhos

Em 1842, a Igreja de São Sebastião do Castelo foi entregue aos cuidados dos frades capuchinhos. Essa igreja sobreviveu até 1922  quando foi demolida juntamente com o Morro do Castelo. Embora com isso o Rio de Janeiro tenha perdido uma das partes mais de sua história antiga, muitas coisas foram transferidas para a atual Igreja da Tijuca.


Interior da Igreja dos Capuchinhos com a Imagem do São Sebastião ao fundo.

A Igreja de São Sebastião dos Capuchinhos foi elevada a paróquia em 9 de janeiro de 1947 pelo Cardeal Arcebispo Dom Jaime de Barros Câmara. No dia 8 de junho, instalou-se a nova paróquia de São Sebastião do Antigo Castelo tendo como o primeiro paróco o Frei Jacinto de Palazzolo Ofmcamp. Foi dada novamente aos capuchinhos a guardiania das "Relíquias Históricas da Cidade do Rio de Janeiro".


Paróquia no interior da Igreja dos Capuchinhos.


Horário das Missas
Segunda-feira: 18h
Terça a sexta: 7h, 9h, 18h. A Adoração ao Santíssimo é feita sempre na primeira quinta-feira de cada mês, após a Missa das 18h.
Sábado: 7h e 9h. Missa das Crianças às 17h.
Domingo: 7h, 8:30h, 11:30, 18h (Jovens) e 19:30 (Pastoral Familiar) 
Domingos: 9h na Comunidade São José no Turano.


Antes de começar a missa do meio dia. 


Barraca de souvenir no pátio da Igreja dos Capuchinhos.


Souvenires que eu comprei na Igreja dos Capuchinhos.



Espero que tenham gostado do post sobre o São Sebastião - padroeiro da Cidade do Rio de Janeiro. Até o próximo post.

Comentários

Posts mais acessados